24 de jun de 2017

Tasseografia: um poema, um desenho.


Tasseografia

Bebi teus olhos castanhos 
feito café em manhã de chuva

o último gole, porém,
revelou-me o vazio
de uma xícara sem borra.

e eu, dos tolos o pior,
num maldizer sem ouvidos
— ao inferno
todos os oráculos do mundo!

a persistência da ilusão
transborda a lacuna do teu amor
e mais água já ferve na chaleira.

(Fevereiro, 2017)

Nenhum comentário: