26 de mai de 2017

Quarta-feira sem sol

Ela acordou para não ver o sol se pôr.

E eu, ao caminhar pela longa rua que leva a minha casa, ao fim desta tarde cinza, observei as pessoas em suas tarefas cotidianas e pensei sobre como, diante da morte, tudo parece tão pequeno e sem importância. Exceto o amor. 

Hoje não teve trabalho.
Hoje não teve estudo.
Hoje não teve sentido.

(24 de maio)

Nenhum comentário: