6 de mai de 2015

Goteiras.

"Era mais uma vez a insônia, como sempre, e tornou a morder a língua para que a verdade não saísse pelas tantas goteiras que tinha no coração."

(Gabriel García Márquez. O Amor nos Tempos de Cólera. Página 342)

Nenhum comentário: