12 de ago de 2014

Calão

vi meu passado de
costas no
canto da
cantina
com um
copo de
café.
— que merda! pensei.
constrangida,
corri. logo
cansei. no
corredor
conheci um
cara, o presente
que disse — ergue a
cabeça e manda ele tomá no
cú. ofereceu um
cigarro.


Fumamos
juntos.


foda-
c.

2 comentários:

Andre Filipe Salesbram disse...

Olá! Eu tenho uma queda especial por textos dessa natureza. Poemas que necessitam ser decifrados, por vezes até pelo próprio autor. Geralmente fruto de um acontecimento banal, ou não, mas simples, quem sabe. Enfim, gostei!

Mariane Bach disse...

Este foi fruto de um acontecimento banal ou da alucinação de um.