17 de jan de 2014

E eu era parte de toda a gente que partia.

2ª Ode

E eu era parte de toda a gente que partia.
A minha alma era parte do lenço com que aquela rapariga acenava
Da janela afastando-se de comboio...
O adeus do rapaz de boné claro
É dirigido a alguém dentro de mim
Sem que ele o queira ou o saiba...
E Paris-Fuentes d'Oñoro
Em letras encarnadas em fundo branco
Ao centro da carruagem, e no alto
Em letras que parecem mais vivas e sábias
Cª Internacional dos Wagons [...]
E o comboio avança — eu fico...

Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)

Um comentário:

Augusto Sperchi disse...

Oi Mariane! Como está, minha amiga!
Andei ocupado e distante (terminando meu livro), mas estou de volta, apesar de as aulas já terem começado com toda força!
Mas agradeço muito sua visita e comentário em meu espaço e fico feliz que o texto sobre Lilith tenha suscitado uma discussão. Depois me conta o que rendeu, tá?
Que coincidência, eu estou justamente lendo os poemas de Álvaro de Campos (FP) e ele é demais! Que grande poeta!
Um grande abraço e tenha bons dias!