16 de jun de 2013

Buscando o sentido.

O sentido, acho, é a entidade mais misteriosa do universo.
Relação, não coisa, entre a consciência, a vivência e as coisas e os eventos.
O sentido dos gestos. O sentido dos produtos. O sentido do ato de existir.
Me recuso a viver em um mundo sem sentido.
Estes anseios/ensaios são incursões conceptuais em busca do sentido.
Pois isso é próprio da natureza do sentido: ele não existe nas coisas, tem que ser buscado, numa busca que é sua própria fundação.
Só buscar o sentido faz, realmente, sentido.
Tirando isso, não tem sentido.

Paulo Leminski, 1986.
[ Trecho do livro Ensaios e Anseios Crípticos ]

Um comentário:

Augusto Sperchi disse...

Oi Mariane! Bom demais esse recorte do Leminzki. De fato, o sentido é sempre relativo: o que faz sentido para mim, pode não fazer algum para outra pessoa. Penso que tudo depende dos nossos propósitos, projetos, desejos e do que tencionamos fazer com as coisas e pessoas.
Um abraço e tenha bons dias!