25 de nov de 2012

Amputem meus braços e não mais levantarei a mão quando pedirem quem é contra.

Sempre contra. Sempre eu (só eu!).
Mas nem sempre com argumentos decentes.


Um comentário:

Gugu Keller disse...

Não há como não ser sempre contra neste mundo de absurdos.
GK