27 de ago de 2012

Temperatura com Transtorno Bipolar.

Crissiumal, Rio Grande do Sul, Brasil.
Sexta-feira, 21 de agosto de 2012:
Temperatura ambiente: 39°C
Alegria :)

• Mari saltita alegremente pela cidade de short e camiseta, e toma tererê bem gelado o dia inteiro. Crianças tomam banho de piscina ou de mangueira. Os passarinhos cantam, os esquilos correm livremente entre os arbustos. Ahh! A alegria de um dia quente invade todos os corações, derretendo até os mais frios. Aqueles corações cujo ponto de fusão geralmente não é alcançado nem com os filmes mais emocionantes sobre cachorros labradores chamados "Marley", neste dia, simplesmente, derretem de amor: amor ao Sol, amor à vida. 

Crissiumal, Rio Grande do Sul, Brasil.
Sábado, 22 de agosto de 2012:
Temperatura ambiente: -5 ºC
Depressão :(

• Mari fica na cama com muitos cobertores e casacos, toma café e treme de frio. Sua mão, que estava fora da coberta (porque estava segurando um livro), congela e tem que ser amputada. A neve interrompe todos os caminhos da cidade. Na biblioteca pública, depois que os livros do Paulo Coelho acabam, começam a queimar bons autores para deixar a lareira acesa. As aulas são suspensas. Crianças invadem as ruas e começam uma guerra de bola de neve. Napoleão Bonaparte e seu exército chegam a Crissiumal, mas como não estavam preparados para o inverno gaúcho e para a falta de mantimentos, são obrigados a fazer uma desastrosa retirada. O inverno é o inferno.

Bem, no fim das contas, o que eu queria dizer mesmo é: QUE FRIIIIO DO C@#A%*$!


26 de ago de 2012

Elogio da Dialética


A injustiça avança hoje a passo firme
Os tiranos fazem planos para dez mil anos
O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são
Nenhuma voz além da dos que mandam
E em todos os mercados proclama a exploração;
isto é apenas o mau começo

Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem
Aquilo que nós queremos nunca mais o alcançaremos!

Quem ainda está vivo não diga: nunca!
O que é seguro não é seguro.
As coisas não continuarão a ser como são.
Depois de falarem os dominantes
Falarão os dominados
Quem pois ousa dizer: nunca?
De quem depende que a opressão prossiga? De nós.
De quem depende que ela acabe? Também de nós.
O que é esmagado que se levante!
O que está perdido, lute!
O que sabe ao que se chegou, que há aí algo que o retenha, liberte-se!
E nunca será: ainda hoje.
Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã.

(Bertold Brecht)

25 de ago de 2012

Eu quero ser o teu problema.


Olá! Antes de prosseguir com o texto abaixo, quero dizer que ele foi retirado de um dos meus blogs favoritos - o Don't touch my moleskine - de uma categoria do blog chamada Fratura Exposta, em que os leitores enviam textos. Gostei bastante e por isso estou postando. Beijos.


Eu quero ser o teu problema, por Vitória de Melo Bispo

Nada de amor heroico, bonito e comovente. Deixo as filosofias otimistas para quem acredita nelas. Eu quero ser a tua insegurança, o teu objeto de desejo que te faz achar que você só tem defeitos _e que certamente não me merece. Eu quero ser o amor intruso, entrão, inconveniente; invadir o teu pensamento quando um amor menos complicado teimar em se aproximar. Eu quero ser quem te faz procurar terapias; quero ser relatado a um psicólogo. Nada de rendas brancas, vestidos de noiva, taças cruzadas.

Eu quero ser quem te faz sair dos lugares comuns, abandonar jantares importantes e festas com seus melhores amigos. Eu quero ser a ligação às três da madrugada e te confundir inteira quando você achar que já não quer tanto assim. Também quero ser o telefone que não toca no dia seguinte. Eu quero ser tuas unhas roídas, tua mania constante de mexer no cabelo, tua síndrome das pernas inquietas. Eu quero ser a resposta monossilábica para tua declaração. Eu quero marcar um encontro, uma conversa, um café e, de última hora, desmarcar _e numa eventual nova possibilidade de encontro, ver você me esperar outra vez. Nada de fotos, flores, músicas de nós dois.

Eu quero ser o teu eterno caso, a lembrança que você lamenta. Eu quero deixar explícito o meu descaso e te ver, ainda assim, se importando comigo. Eu quero te desfilar como um troféu perante aqueles que um dia te quiseram e, em casa, te colocar no lugar mais ignóbil de minha estante. Eu quero ser as cartas que você não consegue jogar fora; a mentira que você não se cansa de acreditar; a saudade que emudece.

Eu quero ser os textos que você escreve de madrugada, tua tentativa desesperada de não enlouquecer. Quero ser a tua insônia, a tua insanidade. Teu susto, teu único assunto. Você Julieta, eu Romeu que não morreu. Eu quero rir da hipótese de um futuro nosso, ver você me odiar por um minuto e voltar a me amar com toda sua raiva logo depois. Eu quero ser as perguntas que você evita se fazer. Quero ser o seu medo de não aguentar.

Eu quero ser o teu problema, garota. Não por capricho. Não por um motivo pífio.

Eu quero ser o teu problema desde que você se tornou o meu.

24 de ago de 2012

Unhas Irlanda

Olá pessoas! Eu fiz essas unhas há muito tempo, em uma fase Irish Music. Eu nem pretendia postar isso, mas nos últimos dias estou meio sem tempo, criatividade (e sem câmera digital) para postar algo melhor, então...


Ao som de Irish Moutarde:

         

19 de ago de 2012

Mais um de Bertold Brecht.


Intertexto

Primeiro levaram os negros 
Mas não me importei com isso 
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.

14 de ago de 2012

On the Road IV

On the Road - Jack Kerouac
Página 241

"Olhei pela janela. Lá estava ele, sozinho no limiar da porta, curtindo a efervescência da rua. Amarguras, recriminações, conselhos, moralidade, tristeza - tudo lhe pesava nas costas enquanto à sua frente descortinava-se a alegria esfarrapada e extasiante de simplesmente ser."

On the Road III

On the Road - Jack Kerouac
Página 196

"Que sensação é essa, quando você está se afastando das pessoas e elas retrocedem na planície até você ver o espectro delas se dissolvendo? - é o vasto mundo nos engolindo, e é o adeus. Mas nos jogamos em frente, rumo à próxima aventura louca sob o céu."

On the Road II

On the Road - Jack Kerouac
Página 108

"Logo veio o crepúsculo, um crepúsculo cor-de-vinho, uma penumbra púrpura dispersa sobre arvoredos de tangerina e extensas plantações de melão; o sol estava com a mesma cor de uvas esmagadas, misturado com borgonha tinto; os campos possuíam a mesma tonalidade dos amores e mistérios espanhóis. Botei a cabeça para fora da janela e aspirei profundamente o ar perfumado. Foi o mais sublime de todos os momentos."

12 de ago de 2012

Caleidoscópio

Se tem uma coisa que eu gosto tanto quanto butiá, estrelas e música, é de caleidoscópio.

E  AQUI uma página com diversos tipos para escolher! :)


Tudo isso ao som de que? 
Que tal Lucy in the Sky with Diamonds, dos Beatles, só que na versão da Rita Lee?


Caleidoscópio: Objeto cilíndrico, em cujo fundo há fragmentos móveis de vidro colorido, os quais, ao refletirem-se sobre um jogo de espelhos disposto longitudinalmente, produzem um sem-número de combinações de imagens.

Um antigo desenho meu (postado aqui!): "Uma garota com olhos de caleidoscópio" (parte da música Lucy in the Sky with Diamonds - The Bealtes). Pretendo fazer uma nova versão dele.
Por hoje basta. Beijos :)

Perguntas de um trabalhador que lê.

Um poema de Bertold Brecht retirado de uma página qualquer da minha apostila de Filosofia:

PERGUNTAS DE UM TRABALHADOR QUE LÊ

Quem construiu Tebas, aquela das sete portas?
Nos livros figuram apenas nomes de reis.
Arrastaram eles, por acaso, os blocos de pedra?
E Babilônia, mil vezes destruída,
Quem voltou a levantá-la outras tantas vezes?
Aqueles que edificaram a dourada Lima, em que casas viviam?
Aonde foram, na noite em que foi terminada a grande muralha, os seus pedreiros?
Cheia de arcos triunfais está
Roma, a grande. Seus Cézares
Sobre quem triunfaram? Bizâncio, 
Tantas vezes cantada, para seus habitantes
Teria apenas palácios? Até na legendária
Atlântida, na noite em que o mar a tragou,
Os que afogavam pediam, clamando,
Ajuda aos seus escravos.
O jovem Alexandre conquistou a Índia.
Ele sozinho?
Cézar venceu aos gauleses.
Não levava um cozinheiro sequer?
Felipe II chorou ao saber sua frota afundada.
Não chorou ninguém mais?
Frederico da Prússia venceu a guerra dos Trinte Anos.
Quem a venceu também?
Um triunfo em cada página.
Quem preparava os festins?
Um grande homem a cada dez anos.
Quem pagava os gastos?
Para tantas histórias
Tantas perguntas!

(Bertold Brecht)

On the Road

On the Road - Jack Kerouac
Página 25

"Para mim, pessoas mesmo são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, loucos para serem salvos, que querem tudo ao mesmo tempo agora, aqueles que nunca bocejam e jamais falam chavões, mas queimam, queimam, queimam como fabulosos fogos de artifício explodindo como constelações em cujo fervilhante - pop! - pode-se ver um brilho azul e intenso até que todos 'aaaaaaah'. Como é mesmo que eles chamavam esses jovens na Alemanha de Goethe?"

4 de ago de 2012

O amor é outra coisa!


Amor não é uma coisa que te tira do chão e te transporta para lugares onde você nunca esteve. O nome disso é avião!
Amor não é aquela coisa que tira sua respiração e sua fala e te deixa totalmente sem ar. O nome disso é asma!
Amor não é uma coisa que te ilumina no escuro, te leva até as estrelas, te traz de volta e desaparece sem deixar vestígios. O nome disso é abdução!
Amor não é uma coisa que te pega de surpresa, te transforma em refém e toma de assalto tudo o que você tem. O nome disso é ladrão!
Amor não é uma coisa que te embrulha o estômago e deixa marcas por onde passa. O nome disso é diarréia!
Amor não é uma coisa que você guarda lá dentro e não deixa ninguém tocar e nem ver. O nome disso: vibrador!
Amor não é uma coisa que chega sorrateira e pula o muro quando o dia amanhece. O nome disso é gato!
Amor não é algo que foi perdido e quando é reencontrado pode mudar tudo o que está a sua frente. O nome disso: controle remoto!
Amor é outra coisa.

Tudo bem?

 - Oi, tudo bem?

- Tudo bem......Fora o tédio que me consome todas as 24 horas do dia! Fora a decepção de ontem, a decepção de hoje, e a desesperança crônica no amanhã! Tenho vontade de chorar, raiva de não poder! Quero gritar até ficar rouco, quero gritar até ficar louco! Isso sem contar a ânsia de vômito, reação a tal pergunta idiota!...Fora tudo isso, tudo bem.


2 de ago de 2012

Desafio Musical - 09

9#Uma música que comece com a letra do seu nome.                                                    


M de Mariane e de Moonlight Drive - The Doors