10 de jun de 2012

Pop Art :)

Olá pessoas! Eu estava com duas latas de batata frita aqui em casa e queria utilizá-las de alguma forma. Foi aí que eu tive a ideia de revestí-las, uma com historinha em quadrinho, a outra eu pensei em fazer igual as latas de  Campbell's Soup. Daí, depois que eu fiz as latas, saí contando pra todo mundo a minha ideia de reproduzir uma Campbell's Soup e ninguém sabia  do que se tratava. E eu dizia: Campbells Soup! Tomate!? Pop Art? Marilyn Monroe colorida! E nada de saberem do que estava falando. É por isso que hoje, antes de mostrar as minhas latinhas customizadas, vou falar um pouco de Pop Art.

Pop Art

Pop Art foi um movimento artístico surgido no final da década de 1950 no Reino Unido e nos Estados Unidos. Sua denominação foi empregada pela primeira vez em 1954, pelo crítico inglês Lawrence Alloway, para designar os produtos da cultura popular da civilização ocidental, sobretudo os que eram provenientes dos Estados Unidos.
Com raízes no dadaísmo de Marcel Duchamp, o pop art começou a tomar forma no final da década de 1950, quando alguns artistas, após estudar os símbolos e produtos do mundo da propaganda nos Estados Unidos, passaram a transformá-los em tema de suas obras.
Representavam, assim, os componentes mais ostensivos da cultura popular, de poderosa influência na vida cotidiana na segunda metade do século XX. Era a volta a uma arte figurativa, em oposição ao expressionismo abstrato que dominava a cena estética desde o final da segunda guerra. Sua iconografia era a da televisão, da fotografia, dos quadrinhos, do cinema e da publicidade.

Entre os principais artistas desse movimento destaca-se Andy Warhol, que é quem nos interessa nessa postagem.



Andy Warhol (1927-1987) foi a figura mais conhecida e mais controvertida do pop art. Warhol mostrou sua concepção da produção mecânica da imagem em substituição ao trabalho manual numa série de retratos de ídolos da música popular e do cinema, como Elvis Presley e Marilyn Monroe. Warhol entendia as personalidades públicas como figuras impessoais e vazias, apesar da ascensão social e da celebridade. Da mesma forma, e usando sobretudo a técnica de serigrafia, destacou a impessoalidade do objeto produzido em massa para o consumo, como garrafas de Coca-Cola, as latas de sopa Campbell, automóveis, crucifixos e dinheiro. Produziu filmes e discos de um grupo musical, incentivou o trabalho de outros artistas e uma revista mensal. 

Banana

Coca-Cola

Marilyn Monroe

Campbell's Soup

Mais Campbell's Soup!

Pilares de latas Campbell no edifício da Academia Real Escocesa, Edimburgo.



Um comentário:

Yasmin disse...

Andy é um dos meus artistas prediletos recomendo que você leia "A Filosofia de Andy Warhol: De A a B e de volta a A" esse livro conta experiencias dele, na verdade não foi ele quem redigiu ele se dizia casado com um gravador e sempre estava gravando algo foi assim que surgiu este livro.
Até mais