8 de nov de 2011

FOME

ARTIGO 25 - Todo homem tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle. ( Declaração Universal dos Direito humanos, ONU, 1947.)

É irônico eu vir aqui e escrever sobre isso agora, logo depois do almoço, depois de ter comido um belo e farto prato de comida. Mas ignorando esse fato, a verdade é que resolvi escrever isso porque estou lendo um livro chamado A Fome na Atualidade, esse livro, na realidade, não é nada atual (faz uns 10 anos que foi publicado), mas eu sei que desde sua publicação, a fome não foi erradicada e continua sendo a causa da morte de muitas pessoas. Logo, o livro não é atual, mas o problema da fome é.
E como falar de fome no meu blog? Não tem ligação com qualquer coisa que já escrevi. Então, estou simplesmente jogando aqui algumas informações, citações do livro, e façam com elas o que quiserem. Muitos nem vão ler, porque digamos assim, não é um assunto legal. Mas na verdade, lendo ou não, não muda nada, porque as pessoas vão continuar passando fome. Ler e se sentir tocado com a situação não altera os fatos. A fome continua. Eu mesma, simplesmente continuarei postando sobre outras coisas, e as pessoas, sejá lá em que parte do mundo estiverem, vão continuar morrendo de fome, literalmente.
No Brasil, também há situações graves de fome. Na faculdade eu assisti ao documentário GARAPA, do diretor José Padilha, o mesmo de Tropa de Elite. O documentáio mostra o dia-a-dia de três famílias famintas do interior do Ceará. Garapa é o nome da mistura de água e açúcar que as famílias retratadas dão a seus filhos quando não há alimentos.

O que é fome?

" Um dicionário define fome como um estado de privação geral de alimento, ou como subnutrição, desnutrição, debilitação, opondo-se ao bem estar. A questão da fome aparece em todos os períodos da história da humanidade e é até narrada em textos literários. No entanto, o tema hoje não se restringe a uma definição dicionarizada, trata-se de um emaranhado com envolvimentos de caráter político e mercadológico."

A fome pode ser conceituada sob dois aspectos:
Fome Crônica: privação de nutrientes por longo período. Endêmica.
Fome Aguda: Privação intensa de nutrientes com mortalidade.

" A fome crônica atinge de 500 milhões a 1 bilhão de pessoas pobres no mundo e a fome aguda mata de 14 a 18 milhões de pessoas por ano. Isso equivale a 44 mil pessoas por dia, ou a 30 por minuto - 22 das quais são crianças com menos de 5 anos de idade. O número de pessoas cuja morte resulta de má nutrição é equivalente aos efeitos de uma bomba de Hiroshima a cada três dias. Não há nenhum desastre que se compare à fome." (Bennett, J p. 12.)

" Num mundo onde predomina a economia de mercado, a vida em comunidade por si só não garante o acesso ao alimento. O alimento fica disponível para aqueles que têm dinheiro para comprá-lo. Somente aqueles que - em linguagem economista - têm renda para transformar suas necessidades biológicas em "demanda efetiva" é que comem o suficiente para atender a essas necessidades. Nesse jogo social, pessoas que ganham 100 dólares por ano competem pelo mesmo alimento com aqueles que ganham 100 dólares por mês, por semana, por hora, ou até mesmo por minuto." (Ecologist, p. 151)

" Quando a fome se torna um furo de reportagem, a televisão, mais do que qualquer outro meio de comunicação, traz sua desgraça para dentro de nossas casas. E, ironicamente, as ferramentas do progresso do século XX permitem ao rico testemunhar, em primeira mão, a morte do pobre." (John Bennett, The hunger machine. p. 11.)

Nenhum comentário: